Software Pra Que Te Quero

Este artigo foi escrito em 2003 e publicado em meu antigo site www.professorapaloma.com.br. Há cerca de um ano meu site foi desativado e este artigo saiu do ar. Em breve meu site será reativado. Enquanto isso, publico-o aqui, para quem quiser relembrá-lo.

———————

Existe uma grande quantidade de software disponível no mercado atualmente, e a tendência é que esse número cresça cada vez mais. Esses softwares surgem com uma velocidade tão grande e para aplicações tão diversas que fica muito difícil classificá-los para entendê-los. Nem mesmo as pessoas mais “antenadas”, conseguem acompanhar esse processo, e o que se vê é que muitos sequer ouviram falar acerca de determinados softwares, que dirá saber a aplicação deles.

No meio educacional, muito se ouve falar, por exemplo, sobre “software de autoria”, porém ainda não se chegou a um consenso sobre o que seja de fato.

Para alguns, software de autoria são as linguagens de programação, como as primitivas FortranCobolAssemblerPascal e Basic, e outras mais novas, como CVisual BasicDelphiCold Fusion e etc., através das quais é possível se criar qualquer tipo de software.

Normalmente, quando da criação de algum software educacional, os analistas programadores desenvolvem o programa e se utilizam de uma consultoria educacional para contribuir com o projeto. Em alguns casos, infelizmente mais raros, forma-se uma equipe multidisciplinar composta, entre outros profissionais, e de acordo com a proposta do software, de educadores e analistas programadores, para que cada um contribua com sua especialidade e juntos construam um produto de melhor qualidade. Isso ocorre também em qualquer outra área, como na medicina, direito e etc.

Ocorre que, com a democratização da informática, existe uma tendência mundial de que usuários comuns passem a desenvolver alguns softwares. Essa demanda forçou o próprio mercado tecnológico a desenvolver algumas ferramentas simples que possibilitam a esses usuários comuns a criação de softwares específicos menos complexos. Essas ferramentas também são consideradas “softwares de autoria”, pois são “abertas”, possibilitando a criação de outros softwares.

Em se tratando da área educacional, poderíamos citar o Logo (Linguagem Logo), como sendo um precursor desse tipo de software. Hoje em dia temos o Visual Class e o Everest entre outros, que possibilitam ao usuário comum a criação de softwares simples, contendo jogos, imagens, filmes, sons e texto. Com essas ferramentas é possível também se criar páginas de Internet.

Existem outras ferramentas que permitem criação por parte do usuário, porém são consideradas um pouco mais limitadas, por se restringirem a uma aplicação específica. Dentre as mais utilizadas na área educacional poderíamos destacar o Clic (software espanhol que possibilita a criação de alguns jogos), HQ (software que permite a criação de histórias em quadrinhos), Nestor (software de construção de páginas da WEB que oferece alguns recursos adicionais como mapa de navegação) e também poderíamos citar o FrontPage (opcional no pacote Microsoft Office, que é um dos editores HTML mais utilizados para construção de páginas de Internet).

Além de todos os softwares citados, vale a pena destacar o bom e velho PowerPoint, como uma excelente opção para criação, pois além de oferecer inúmeros recursos para construção de telas interativas, com hiperlinks, imagens, vídeos, sons e textos, ele é integrante do pacote Office, o que significa que praticamente todos os usuários já o possuem.

Já que estamos falando do Office, porque não lembrar dos outros famosos e utilíssimos aplicativos da família Microsoft, que podem ser ótimos aliados no desenvolvimento de projetos pedagógicos, principalmente quando integrados a outros softwares. Entre eles podemos destacar o Word (editor de texto ultra-sofisticado), Excel (planilha eletrônica com inúmeros recursos gráficos), o Access (banco de dados SQL) e até diversos softwares que acompanham o próprio Windows, como o Bloco de Notas (simples processador de textos), o Paint (editor de imagens simples, mas com boas possibilidades de uso), o consagrado navegador Internet Explorer, o poderoso tocador de mídias diversas Windows Media Player e o ousado Messenger (para comunicação instantânea utilizando-se imagens e sons).

São tantos softwares, tantos concorrentes, tantas possibilidades que o usuário comum facilmente se sente desnorteado, sem contar com a gama quase ilimitada de software freeware (programas gratuitos), shareware (programas gratuitos para se testar, mas que precisam ser adquiridos) ou mesmo adware (programas gratuitos suportados por anúncios e propagandas). Além disso, existem softwares para diversas plataformas e sistemas operacionais, só para citar os mais famosos, temos o próprio Windows com todas as suas versões disponíveis, o Linux, o BeOS, o Macintosh (apple), o Unix, o OS/2 e etc.

Para entender um pouco a diversidade e abrangência dos softwares basta acessar um site popular de downloads (como o Tucows), e verificar que lá existem mais de 30.000 softwares prontos para serem testados, utilizados e comprados.

Saber da existência dessas ferramentas simplesmente não basta para que se possa começar a desenvolver projetos, pois é necessário aprender a utilizá-las. Felizmente, junto com o surgimento a cada dia de novas ferramentas para criação, vêm também os chamados tutoriais, que são softwares auto-explicativos, que ensinam o usuário a utilizar outros softwares. Hoje em dia existem tutoriais aos montes que explicam acerca de praticamente todos os softwares existentes no mercado. Além disso, existem as listas de discussões na Internet, onde os usuários trocam informações sobre esses softwares e dessa forma aprendem tudo o que precisam.

Essa experiência de democratização do conhecimento é realmente fantástica! Os ambientes virtuais criaram uma espécie de rede de solidariedade, onde os usuários se ajudam mutuamente e não encontram barreiras para avançar nas descobertas e dominar todas essas ferramentas.

Diante de tantas possibilidades, basta agora decidir o que se quer fazer, encontrar a ferramenta mais adequada, aprender a utilizá-la e pronto, qualquer projeto já poderá se tornar real!

Em São Paulo, 13 de Dezembro de 2009.

Anúncios

Um comentário sobre “Software Pra Que Te Quero

  1. Excelente!
    Grande contribuição. O fato é que os tempos andam escassos e incentivos como este nos ajudam a sacudir a poeira das tecnologias que nos aguardam nas prateleiras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s